top of page

Quase 1,8 bilhão de adultos em risco de contrair doenças por não praticarem atividade física suficiente

26 de junho de 2024 | Genebra –- Novos dados mostram que quase um terço (31%) dos adultos em todo o mundo, aproximadamente 1,8 mil milhões de pessoas, não atingiram os níveis recomendados de atividade física em 2022.


As conclusões apontam para uma tendência preocupante de inactividade física entre adultos, que têm aumentado cerca de 5 pontos percentuais entre 2010 e 2022.


Se a tendência continuar, prevê-se que os níveis de inatividade aumentem ainda mais, para 35% até 2030, e o mundo está atualmente longe de cumprir a meta global de redução da inatividade física até 2030.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que os adultos tenham 150 minutos de atividade física de intensidade moderada ou 75 minutos de atividade física de intensidade vigorosa, ou equivalente, por semana.


A inatividade física coloca os adultos em maior risco de doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais, diabetes tipo 2, demência e cancros como o da mama e do cólon.


O estudo foi realizado por pesquisadores da OMS em conjunto com colegas acadêmicos e publicado em diversos meios. O relatório esteve sob embargo. Agora apresentamos os dados na ©W Magazine e no ©Yoga Sathya Club.


Belisa Godinho ©Yoga Sathya participou na conferência de imprensa da World Health Organization (WHO) sobre a matéria ontem, e levantou a questão aos peritos não só a inatividade física é preocupante nos adultos igualmente as crianças têm esse problema de falta de exercício físico. Salientou que para se obter um verdadeiro resultado terá de ser introduzida uma mudança de estilo de vida, tal como a alimentação com comida mais saudável. A WHO concordou e referiu que tem estado a trabalhar nesse sentido a nível global.


“Estas novas descobertas destacam uma oportunidade perdida de reduzir o cancro, as doenças cardíacas e melhorar o bem-estar mental através do aumento da atividade física”, afirmou o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS. “Devemos renovar os nossos compromissos com o aumento dos níveis de atividade física e dar prioridade a ações ousadas, incluindo políticas reforçadas e aumento do financiamento, para inverter esta tendência preocupante.”


As taxas mais altas de inatividade física foram observadas na região de alta renda da Ásia-Pacífico (48%) e no Sul da Ásia (45%), com níveis de inatividade em outras regiões variando de 28% em países ocidentais de alta renda a 14% na Oceania. .


É preocupante que persistam disparidades entre género e idade. A inatividade física ainda é mais comum entre as mulheres em todo o mundo, em comparação com os homens, com taxas de inatividade de 34% em comparação com 29%. Em alguns países, esta diferença chega a 20 pontos percentuais. Além disso, as pessoas com mais de 60 anos são menos ativas do que outros adultos, sublinhando a importância de promover a atividade física para os idosos.


“A inatividade física é uma ameaça silenciosa à saúde global, contribuindo significativamente para o fardo das doenças crónicas”, afirmou o Dr. Rüdiger Krech, Diretor de Promoção da Saúde da OMS. “Precisamos encontrar formas inovadoras de motivar as pessoas a serem mais ativas, considerando fatores como idade, ambiente e formação cultural. Ao tornar a atividade física acessível, acessível e agradável para todos, podemos reduzir significativamente o risco de doenças não transmissíveis e criar uma população mais saudável e produtiva.”


Apesar dos resultados preocupantes, existem alguns sinais de melhoria em alguns países. O estudo mostrou que quase metade dos países do mundo fizeram algumas melhorias ao longo da última década, e 22 países foram identificados como estando no caminho certo para atingir a meta global de redução da inatividade em 15% até 2030, se a sua tendência continuar ao mesmo ritmo. .


À luz destas conclusões, a OMS apela aos países para que reforcem a implementação de políticas para promover e permitir a atividade física através do desporto popular e comunitário e da recreação activa e dos transportes (caminhadas, ciclismo e utilização de transportes públicos), entre outras medidas.


“Promover a atividade física vai além da promoção da escolha individual de estilo de vida – exigirá uma abordagem de toda a sociedade e a criação de ambientes que tornem mais fácil e seguro para todos serem mais ativos da maneira que gostam, para colher os muitos benefícios para a saúde da atividade física regular. ”, disse a Dra. Fiona Bull, Chefe da Unidade de Atividade Física da OMS.


Serão necessários esforços colectivos baseados em parcerias entre intervenientes governamentais e não governamentais e maiores investimentos em abordagens inovadoras para alcançar as pessoas menos activas e reduzir as desigualdades no acesso a medidas que promovam e melhorem a atividade física.





(EN) Nearly 1.8 billion adults at risk of disease due to not getting enough physical activity


June 26, 2024 | Geneva –- New data shows that almost a third (31%) of adults worldwide, approximately 1.8 billion people, did not reach recommended levels of physical activity in 2022.


The conclusions point to a worrying trend in physical inactivity among adults, which has increased by around 5 percentage points between 2010 and 2022.


If the trend continues, inactivity levels are predicted to rise further, to 35% by 2030, and the world is currently far from meeting the global target of reducing physical inactivity by 2030.


The World Health Organization (WHO) recommends that adults have 150 minutes of moderate-intensity physical activity or 75 minutes of vigorous-intensity physical activity, or equivalent, per week.


Physical inactivity puts adults at greater risk of cardiovascular diseases such as heart attacks and strokes, type 2 diabetes, dementia and cancers such as breast and colon.


The study was carried out by WHO researchers together with academic colleagues and published in several media. The report was under embargo. Now we present the data in ©W Magazine and ©Yoga Sathya Club.


Belisa Godinho ©Yoga Sathya participated in the World Health Organization (WHO) press conference on the matter yesterday, and raised the issue with experts. Not only is physical inactivity a concern in adults, children also have this problem of lack of physical exercise. She stressed that to obtain a real result, a lifestyle change will have to be introduced, such as eating healthier food. WHO agreed and stated that it has been working towards this at a global level.


“These new findings highlight a missed opportunity to reduce cancer, heart disease and improve mental well-being through increased physical activity,” said Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, WHO Director-General. “We must renew our commitments to increasing physical activity levels and prioritize bold action, including strengthened policies and increased funding, to reverse this worrying trend.”


The highest rates of physical inactivity were observed in the high-income Asia-Pacific region (48%) and South Asia (45%), with levels of inactivity in other regions ranging from 28% in high-income Western countries to 14% in Oceania. .


It is worrying that disparities between gender and age persist. Physical inactivity is still more common among women worldwide compared to men, with inactivity rates at 34% compared to 29%. In some countries, this difference reaches 20 percentage points. Furthermore, people over 60 are less active than other adults, highlighting the importance of promoting physical activity for older people.


“Physical inactivity is a silent threat to global health, contributing significantly to the burden of chronic disease,” said Dr. Rüdiger Krech, WHO Director of Health Promotion. “We need to find innovative ways to motivate people to be more active, considering factors such as age, environment and cultural background. By making physical activity accessible, affordable and enjoyable for everyone, we can significantly reduce the risk of non-communicable diseases and create a healthier, more productive population.”


Despite the worrying results, there are some signs of improvement in some countries. The study showed that almost half of the world's countries have made some improvements over the past decade, and 22 countries have been identified as being on track to meet the global target of reducing inactivity by 15% by 2030, if trends continue along the way. same rhythm. .


In light of these findings, the WHO calls on countries to strengthen the implementation of policies to promote and enable physical activity through popular and community sports and active recreation and transport (walking, cycling and use of public transport), among others. measures.


“Promoting physical activity goes beyond promoting individual lifestyle choice – it will require a whole-of-society approach and creating environments that make it easier and safer for everyone to be more active in the way they enjoy, to reap the many benefits for health from regular physical activity. ,” said Dr. Fiona Bull, Head of the WHO Physical Activity Unit.


Collective efforts based on partnerships between governmental and non-governmental actors and greater investments in innovative approaches will be needed to reach less active people and reduce inequalities in access to measures that promote and improve physical activity.


Fonte: World Health Organization (WHO)


Quer ler mais?

Inscreva-se em wmagazine.pt para continuar lendo esse post exclusivo.

8 visualizações0 comentário

Comments

Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page