top of page

OMS emite alerta sobre medicamentos falsificados usados ​​para tratamento de diabetes e perda de peso

(PT) 20 de junho de 2024 — A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta de produto médico sobre semaglutidas falsificadas, o tipo de medicamento utilizado no tratamento da diabetes tipo 2 e da obesidade em alguns países.


O alerta aborda 3 lotes falsificados de produtos da classe de medicamentos semaglutida (da marca específica Ozempic), que foram detectados no Brasil em outubro de 2023, no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte em outubro de 2023, e nos Estados Unidos da América em Dezembro de 2023. O Sistema Global de Vigilância e Monitorização da OMS (GSMS) tem observado um aumento de relatórios sobre produtos falsificados de semaglutida em todas as regiões geográficas desde 2022. Este é o primeiro aviso oficial emitido pela OMS após a confirmação de alguns dos relatórios.


“A OMS aconselha os profissionais de saúde, as autoridades reguladoras e o público a estarem atentos a estes lotes falsificados de medicamentos”, disse a Dra. Yukiko Nakatani, Diretora-Geral Adjunta da OMS para Medicamentos Essenciais e Produtos de Saúde. “Apelamos às partes interessadas para que interrompam qualquer utilização de medicamentos suspeitos e informem as autoridades relevantes”.


Escassez de suprimentos e aumento da falsificação

As semaglutidas, incluindo o produto de marca específica que foi falsificado, são prescritas para pessoas com diabetes tipo 2, a fim de reduzir os níveis de açúcar no sangue. As semaglutidas também reduzem o risco de eventos cardiovasculares. A maioria dos produtos de semaglutida devem ser injetados sob a pele semanalmente, mas também estão disponíveis na forma de comprimidos tomados por via oral diariamente. Foi demonstrado que estes medicamentos suprimem o apetite, além de reduzirem os níveis de açúcar no sangue, e por isso são cada vez mais prescritos para perda de peso em alguns países.


A OMS tem observado um aumento da procura destes medicamentos, bem como relatos de falsificação. Estes produtos falsificados podem ter efeitos nocivos para a saúde das pessoas; se os produtos não tiverem as matérias-primas necessárias, os medicamentos falsificados podem levar a complicações de saúde resultantes de níveis de glicose no sangue ou de peso não controlados. Noutros casos, outro ingrediente activo não declarado pode estar contido no dispositivo de injecção, e. insulina, levando a uma gama imprevisível de riscos ou complicações para a saúde.


As semaglutidas não fazem parte dos tratamentos recomendados pela OMS para o controle do diabetes devido ao seu alto custo atual. A barreira dos custos torna estes produtos inadequados para uma abordagem de saúde pública, que visa garantir o acesso mais amplo possível aos medicamentos a nível da população e encontrar um equilíbrio entre o padrão de cuidados mais bem estabelecido e o que é viável em larga escala em termos de recursos. -configurações limitadas. Além disso, existem tratamentos mais acessíveis para o diabetes, com efeitos semelhantes aos das semaglutidas no açúcar no sangue e no risco cardiovascular.


A OMS está actualmente a trabalhar numa directriz de aconselhamento rápido sobre a possível utilização de AR GLP-1, incluindo semaglutidas, para o tratamento da obesidade em adultos e como parte de um modelo de cuidados mais abrangente. O termo ARs GLP-1 significa agonistas do receptor do peptídeo 1 semelhante ao glucagon, que incluem semaglutidas, para uma classe de medicamentos usados ​​no tratamento do diabetes para reduzir o açúcar no sangue e apoiar a perda de peso.


Ação individual

Para se protegerem de medicamentos falsificados e dos seus efeitos nocivos, os pacientes que utilizam estes produtos podem tomar medidas como comprar medicamentos mediante receita médica de médicos licenciados e evitar comprar medicamentos de fontes desconhecidas ou não verificadas, como as que podem ser encontradas online.


As pessoas devem sempre verificar a embalagem e o prazo de validade dos medicamentos no momento da compra e utilizá-los conforme prescrito. No caso de semaglutidas injetáveis, os pacientes devem garantir seu armazenamento na geladeira. Todas as notificações sobre medicamentos falsificados podem ser enviadas à OMS através de rapidalert@who.int.


(EN)

WHO issues warning on falsified medicines used for diabetes treatment and weight loss


20 June 2024 -- The World Health Organization (WHO) issued a medical product alert on falsified semaglutides, the type of medicines that are used for treatment of type 2 diabetes and obesity in some countries.


The alert addresses 3 falsified batches of product of semaglutide class of medicines (of specific brand Ozempic), which have been detected in Brazil in October 2023, the United Kingdom of Great Britain and Northern Ireland in October 2023, and the United States of America in December 2023. WHO Global Surveillance and Monitoring System (GSMS) has been observing increased reports on falsified semaglutide products in all geographical regions since 2022. This is the first official notice issued by WHO after confirmation of some of the reports.


“WHO advises healthcare professionals, regulatory authorities and the public be aware of these falsified batches of medicines,” said Dr Yukiko Nakatani, WHO Assistant Director-General for Essential Medicines and Health Products. “We call on stakeholders to stop any usage of suspicious medicines and report to relevant authorities”.


Shortage of supplies and increased falsification

The semaglutides, including the specific brand product that has been falsified, are prescribed to people with type 2 diabetes in order to lower their blood sugar levels. Semaglutides also reduce the risk of cardiovascular events. Most semaglutide products must be injected under the skin on a weekly basis but they are also available as tablets taken by mouth daily. These medicines are shown to suppress appetite in addition to lowering blood sugar levels, and therefore are being increasingly prescribed for weight loss in some countries.


WHO has been observing increased demand for these medicines as well as reports on falsification. These falsified products could have harmful effects to people’s health; if the products don’t have the necessary raw components, falsified medicines can lead to health complications resulting from unmanaged blood glucose levels or weight. In other cases, another undeclared active ingredient may be contained in the injection device, e.g. insulin, leading to an unpredictable range of health risks or complications.


Semaglutides are not part of WHO-recommended treatments for diabetes management due to their current high cost. The cost barrier makes these products unsuitable for a public health approach, which aims to ensure the widest possible access to medicines at the population level and to strike a balance between the best-established standard of care and what is feasible on a large scale in resource-limited settings. Also, there are more affordable treatments available for diabetes, with similar effects to those of semaglutides on blood sugar and cardiovascular risk.


WHO is currently working on a rapid advice guideline on possible use of GLP-1 RAs, including semaglutides, for treatment of obesity in adults and as part of a more comprehensive model of care. The term GLP-1 RAs stands for glucagon-like peptide-1 receptor agonists, which include semaglutides, for a class of medicines used for diabetes treatment to lower blood sugar and support weight loss.


Individual action

To protect themselves from falsified medicines and their harmful effects, patients who are using these products can take actions such as buying medicines with prescriptions from licensed physicians and avoid buying medicines from unfamiliar or unverified sources, such as those that may be found online.


People should always check packaging and expiry dates of medicines when they buy them, and use the products as prescribed. In the case of injectable semaglutides, patients should ensure they are stored in the refrigerator. All notifications on falsified medicines can be sent to WHO via rapidalert@who.int.



Quer ler mais?

Inscreva-se em wmagazine.pt para continuar lendo esse post exclusivo.

6 visualizações0 comentário

Comments

Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page